O profissional de RH é considerado um profissional do futuro. A carreira em recursos humanos é considerada promissora para os próximos 10 anos. Mas, você sabe o que esse profissional faz e quais as competências necessárias para trabalhar na área?

Continue lendo nosso artigo para saber mais!

A preocupação com gestão de pessoas nas organizações começou entre a primeira e a segunda Guerra Mundial. Foi nessa época que os recursos humanos começaram a ser diferenciados dos materiais ou financeiros. No Brasil, a crise de 29 também lançou luz sobre a necessidade de se pensar na esfera psicológica dos trabalhadores.

Segundo esse artigo, as práticas de RH vieram da difusão e desenvolvimento do humanismo nas organizações, surgindo a partir de fatores como o desenvolvimento econômico e tecnológico e a evolução das ciências comportamentais.

Após a segunda Guerra Mundial, a área avançou muito. O departamento pessoal tornou-se o departamento de recursos humanos e as atividades da área, que eram exclusivamente operacionais, foram expandidas para ações de recrutamento, seleção, treinamento e desenvolvimento, avaliação de desempenho, remuneração e demissão.

Atualmente, o RH está cada vez mais voltado para a gestão de pessoas e cada vez mais próximo ao topo dos organogramas das organizações, atuando de forma estratégica junto às lideranças e auxiliando no alcance das metas da empresa.

Como você pode se tornar um profissional de RH?

O campo para a atuação é muito vasto, visto que todas as empresas, sejam elas de pequeno porte, startups ou multinacionais, precisam de alguém que saiba gerir os colaboradores que lá trabalham. Nesse sentido, é possível ocupar cargos como analista, especialista, gerente ou diretor de RH, e a remuneração financeira para cada cargo sempre vai variar segundo o tamanho da organização.

Quando falamos em educação formal, para trabalhar na área, é possível investir em uma graduação de Psicologia ou Administração, que duram de 4 a 5 anos. Nesse caso, o aprendizado é muito amplo e não apenas voltado para a área organizacional. No caso da psicologia, por exemplo, o curso de graduação aborda também as áreas escolar, da saúde, clínica, entre outras.

Outra opção é realizar um curso tecnólogo em gestão de pessoas, que agrega conhecimentos específicos voltados para a gestão de pessoas e tem uma duração mais curta, cerca de 2 anos.

O que você pode fazer como profissional de RH?

O setor de RH há muito tempo deixou de ser responsável somente pelas questões operacionais e burocráticas dos colaboradores. Uma das responsabilidades do profissional que atua na área é, por exemplo, realizar o mapeamento de competências.

Segundo Brandão, autor de alguns livros sobre o tema, competências descrevem ações a serem executadas pelos indivíduos. No campo do RH, elas devem descrever o que o trabalhador deve fazer para cumprir com excelência o que pede seu cargo.

Nesse sentido, o papel do profissional de RH é descobrir quais são essas ações, em geral com entrevistas individuais ou grupais, a fim de mapear essas competências. Essa ação é a base para muitas outras ações do RH e perpassa diversos subsistemas da área. Pois é com base nessas competências que podem ser realizados processos seletivos e treinamentos para as equipes de uma empresa.

Existem diversas subáreas de atuação que contribuem diretamente para o sucesso e alcance de metas da organização. Nesse artigo, vamos abordar três exemplos dessas subáreas, mas saiba que existem muitos outros.

Aqui, trouxemos: o recrutamento e seleção (R&S), treinamento, desenvolvimento e educação (TD&E) e a avaliação de desempenho (AD).

Recrutamento e Seleção

O recrutamento e seleção é responsável pela entrada dos colaboradores na empresa. Primeiro, é preciso entender que há uma diferença entre a etapa de recrutamento e a etapa de seleção.

O recrutamento consiste na atração dos candidatos com potencial adequado para preencher a posição em aberto. Esses profissionais podem estar dentro da organização - constituindo um R&S interno ou fora dela, constituindo um R&S externo. Um bom alcance dessa etapa significa uma amostra ampla, a fim de permitir a análise de perfil que vai agregar valor à organização.

É importante pensar como será divulgada a vaga. Por exemplo, se é uma vaga de estágio para nível superior, é interessante que seja divulgada em universidades e canais de comunicação utilizados por alunos de ensino superior.

Em seguida, avança-se para a etapa de seleção. Existem diversas formas de avaliar e comparar o perfil dos candidatos, como explorando suas competências técnicas ou suas soft skills

Atualmente, explora-se muito o fit cultural por seu caráter estratégico. Ou seja, pelo seu poder se ajudar a organização a alcançar seus resultados. Ele consiste em analisar se o candidato apresenta postura, objetivos, visões de mundo e comportamentos compatíveis com a missão, visão e valores da empresa.

Alguns cuidados éticos são importantes durante esse processo, sendo alguns deles: avaliar o candidato somente durante o processo, não permitindo o viés de questões externas e deixar claro quais são os momentos de avaliação. Afinal, ninguém quer ser pego de surpresa!

Treinamento, Desenvolvimento e Educação

O profissional de RH também é responsável pelas ações de treinamento, desenvolvimento e educação dos colaboradores. Muitas organizações, inclusive, contam com Universidades Corporativas, que são ferramentas estratégicas para auxiliar as organizações.

No ranking das melhores empresas para se trabalhar em 2019, 52% delas oferecem universidade corporativa. Alguns exemplos são a Hamburguer University e a Academia Santander.

Quando se fala em TD&E, o treinamento se refere a algo pontual de curta ou média duração, como cursos e oficinas. O desenvolvimento está voltado a programas de média a longa duração, como cursos técnicos e profissionalizantes, graduação, especialização, mestrado ou doutorado. Finalmente, as ações educacionais são aquelas que funcionam como apoio a programas de qualidade de vida no trabalho, orientação profissional e de carreiras, podendo acontecer no formato de oficinas, cursos, seminários, palestras, entre outros.

Hoje, as ações de TD&E ocupam um papel central nas práticas atuais do profissional de RH. No livro "Treinamento, Desenvolvimento e Educação em Organizações e Trabalho", organizado por Borges-Andrade, Abbad e colaboradores, os treinamentos são inseridos no contexto organizacional seguindo três etapas, sendo elas:

  1. Avaliação de necessidades de treinamento: aqui, se avaliam quais as competências que estão em falta na organização e quais ainda são necessárias para atingir resultados.
  2. Planejamento e execução das ações: depois, planeja-se como serão aplicados os treinamentos.
  3. Avaliação: por fim, é necessário saber se a ação foi efetiva e se alcançou a expectativa do público alvo.

Avaliação de Desempenho

As ADs são outra ação essencial e de responsabilidade do profissional de RH. Ela é uma ferramenta para coletar dados e analisar a performance dos colaboradores ou de um time. Seu objetivo é entender quais são os pontos passíveis de desenvolvimento dos colaboradores, quais pontos precisam, por exemplo, de uma ação de TD&E.

As ADs podem avaliar inúmeros aspectos, como competências técnicas, comportamentais e alinhamento cultural dos colaboradores.

Além disso, existem diversos tipos de AD:

  • Autoavaliação: o colaborador avalia seu próprio desempenho;
  • Avaliação 360 graus: todos os colaboradores e lideranças se avaliam e são avaliados;
  • Avaliação 90 graus: avaliação do colaborador pelo líder direto;
  • Avaliação 180 graus: avaliação do colaborador feita pelo líder e por ele mesmo, em consenso;
  • Avaliação pelo cliente: cliente avalia colaborador;
  • Avaliação por pares: colaboradores que quem tem contato direto se avaliam.

Competências do Profissional de RH

Agora que você entendeu um pouquinho algumas das atribuições do profissional de RH, é hora de entender o que é preciso para atuar nessa área. Ou seja, quais as competências necessárias para a atuação profissional.

Para Caxito, autor de Recrutamento e Seleção de Pessoas, o perfil do profissional de RH precisa se expandir. Mesmo que a área esteja ligada a pessoas, e que temos um caráter essencialmente subjetivo, o profissional deve, ainda, ter uma visão sistêmica e estratégica, além de ser capaz de lidar com indicadores, estatísticas e lógica.

Isso porque os processos e ações feitas pelo profissional de RH devem poder ser medidas com o objetivo de deixar as mudanças e melhorias as quais propôs sempre mais visíveis e claras.

Para que a área impulsione a organização, o profissional de RH deve participar da construção do planejamento estratégico da empresa. Ou seja, deve participar do estabelecimento de metas e traçar estratégias para alcançá-las.

O profissional de RH bem sucedido devem ser capaz de fazer diagnósticos organizacionais a fim de situar melhor as políticas a serem propostas pela sua área, construir instrumentos capazes de dar suportes às suas decisões, articular e conduzir grupos em diferentes ocasiões, promover aprendizado e desenvolvimento, perceber e promover melhoria na qualidade e bem-estar dos colaboradores e zelar pela diversidade na organização.

Conclusão

Neste artigo você entendeu melhor como se tornar um profissional de RH. Leu, também, sobre alguns exemplos de ações desenvolvidas por esses profissionais e algumas competências essenciais para desenvolvê-las.

Se você se interessou pela área, encontre mais material de leitura aqui!

Este conteúdo é uma colaboração da Impulseup.

Inscreva-se no Blog do EAD PUCPR

blog ead pucpr
cursos empreendedorismo
O que você achou dessa publicação?
Deixe seu comentário aqui.