Será que você sabe o que é crônica mesmo ou confunde o gênero com outros tipos de texto?

Neste artigo, você vai tirar a prova.

Acompanhe até o final e descubra tudo sobre o assunto!

O que é crônica?
Quais as características da crônica?
Para que serve uma crônica?
Quais são os tipos de crônicas?
Como fazer uma crônica?
Principais cronistas do Brasil
Conclusão

Baixe agora mesmo 100 questões do ENEM e comece a estudar!

O que é crônica?

A crônica é um gênero textual muito presente em jornais, revistas, portais de internet e blogs.

Esse tipo de texto se destaca por abordar aspectos do cotidiano.

Ou seja, questões comuns do nosso dia a dia.

Quais as características da crônica?

A crônica se situa entre o jornalismo e a literatura.

Além da narração de situações banais, ela é caracterizada por:

  • Textos curtos e de fácil compreensão
  • Linguagem simples e descontraída
  • Poucos (ou nenhum) personagens nas histórias
  • Análise crítica sobre contextos e circunstâncias 
  • Humor crítico, irônico e sarcástico
  • Linha cronológica estabelecida.
>>> Leia também: 100 anos da Semana de Arte Moderna: como o tema pode cair no Enem 2022

Para que serve uma crônica?

Embora as crônicas retratem acontecimentos do dia a dia, elas não têm a finalidade exclusiva de informar.

O objetivo da narrativa é, na verdade, provocar uma reflexão sobre o assunto abordado.

Os cronistas costumam identificar aspectos que, muitas vezes, passam despercebidos pelo restante da sociedade, mas que merecem observação e análise. 

Quais são os tipos de crônicas?

o que é crônica

A crônica é um gênero textual que pode ser dividido em diferentes tipos.

Conheça as características de cada um deles:

Crônica descritiva

A crônica descritiva é tipificada pela descrição dos elementos na narrativa.

Ou seja, é um texto que expõe os detalhes de objetos, lugares, personagens e demais partes.

Crônica narrativa 

Esse tipo de crônica é marcado pela narração em primeira ou terceira pessoa do singular.

Ele costuma conter humor, ação e crítica.

Crônica dissertativa

A crônica dissertativa pode ser escrita em primeira ou terceira pessoa do plural.

Ela traz à tona o ponto de vista do autor sobre o assunto em foco.

Crônica humorística

Humor, ironia e sarcasmo são os componentes da crônica humorística.

Diferentes abordagens e estratégias podem ser adotadas nesse tipo de texto para tratar dos temas que impactam a sociedade de forma cômica.

Crônica lírica

No gênero lírico, a expressão de emoções é predominante. 

A crônica lírica, portanto, evidencia o sentimentalismo.

Crônica poética

A crônica poética utiliza versos poéticos em sua composição.

Dessa forma, além de traços de poesia, também contém sentimentos e emoções.

Crônica narrativo-descritiva

Esse tipo de crônica combina a narrativa e a descritiva.

Crônica jornalística

A crônica jornalística tem um viés do texto jornalístico no que diz respeito à veiculação de notícias e fatos.

Dessa forma, busca abordar acontecimentos atuais, do mesmo dia ou semana, por exemplo.

Crônica histórica

Ao contrário da crônica jornalística, que destaca eventos recentes, a crônica histórica relembra episódios passados.

Crônica-ensaio

Diferente das demais crônicas, esta é difícil de prever pelo nome.

A crônica-ensaio tece críticas ao que acontece nas relações sociais e de poder.

Crônica filosófica

Por fim, a crônica filosófica que carrega uma reflexão sobre determinado assunto.

>>> Leia também: o que mais cai em filosofia no Enem? Temas, filósofos e questões

Como fazer uma crônica?

Para fazer uma crônica, você deve, primeiramente, definir o tipo que será usado.

Isso porque o texto deve acompanhar as características do formato.

Mas, no geral, as crônicas seguem um roteiro básico, que contém:

  • Introdução rápida
  • Descrição do fato/tema abordado
  • A grande sacada do cronista.

Você precisa, portanto, seguir essa estrutura usando o tema da sua escolha.

Dicas de como fazer uma boa crônica

Algumas dicas podem ser muito úteis para ajudar a construir uma boa crônica.

Anote aí:

  • Procure escolher temas contemporâneos, a não ser que sua crônica seja histórica
  • Pesquise sobre o assunto antes de escrever para formar a sua opinião
  • Expresse e defenda o seu ponto de vista
  • Evite incluir personagens na narrativa
  • Mantenha o pé no chão e não fantasie demais. A crônica não é um conto!
  • Respeite o tamanho da crônica
  • Seja claro e objetivo
  • Tenha atenção com a gramática
  • Revise a sua crônica.

>>> Leia também: tudo o que você precisa saber sobre o Enem

Exemplos de crônicas

o que é crônica

Confira três crônicas de grandes cronistas brasileiros:

Furto de Flor, de Carlos Drummond de Andrade

Furtei uma flor daquele jardim. O porteiro do edifício cochilava, e eu furtei a flor.

Trouxe-a para casa e coloquei-a no copo com água. Logo senti que ela não estava feliz. O copo destina-se a beber, e flor não é para ser bebida

Passei-a para o vaso, e notei que ela me agradecia, revelando melhor sua delicada composição. Quantas novidades há numa flor, se a contemplarmos bem.

Sendo autor do furto, eu assumira a obrigação de conservá-la. Renovei a água do vaso, mas a flor empalidecia. Temi por sua vida. Não adiantava restituí-la no jardim. Nem apelar para o médico de flores. Eu a furtara, eu a via morrer.

Já murcha, e com a cor particular da morte, peguei-a docemente e fui depositá-la no jardim onde desabrochara. O porteiro estava atento e repreendeu-me.

O Vestido Branco, de Clarice Lispector

Acordei de madrugada desejando ter um vestido branco. E seria de gaze. Era um desejo intenso e lúcido. Acho que era a minha inocência que nunca parou. Alguns, bem sei, já até me disseram, me acham perigosa. Mas também sou inocente. 

A vontade de me vestir de branco foi o que sempre me salvou. Sei, e talvez só eu e alguns saibam, que se tenho perigo tenho também uma pureza. E ela só é perigosa para quem tem perigo dentro de si. 

A pureza de quem falo é límpida: até as coisas ruins a gente aceita. E têm um gosto de vestido branco de gaze. Talvez eu nunca venha a tê-lo, mas é como se tivesse, de tal modo se aprende a viver com o que tanto falta. 

Também quero um vestido preto porque me deixa mais clara e faz a minha pureza sobressair. É mesmo pureza? O que é primitivo é pureza. O que é espontâneo é pureza. O que é ruim é pureza? Não sei, sei que às vezes a raiz do que é ruim é uma pureza que não pôde ser.

Acordei de madrugada com tanta intensidade por um vestido branco de gaze, que abri meu guarda-roupa. Tinha um branco, de pano grosso e decote arredondado. Grossura é pureza? Uma coisa sei: amor, por mais violento, é.

O Gavião, de Rubem Braga

Gente olhando para o céu: não é mais disco voador. Disco voador perdeu o cartaz com tanto satélite beirando o sol e a lua. Olhamos todos para o céu em busca de algo mais sensacional e comovente – o gavião malvado, que mata pombas.

O centro da cidade do Rio de Janeiro retorna assim à contemplação de um drama bem antigo, e há o partido das pombas e o partido do gavião. Os pombistas ou pombeiros (qualquer palavra é melhor que “columbófilo”) querem matar o gavião. Os amigos deste dizem que ele não é malvado tal; na verdade come a sua pombinha com a mesma inocência com que a pomba come seu grão de milho.

Não tomarei partido; admiro a túrgida inocência das pombas e também o lance magnífico em que o gavião se despenca sobre uma delas. Comer pombas é, como diria Saint-Exupéry, “a verdade do gavião”, mas matar um gavião no ar com um belo tiro pode também ser a verdade do caçador.

Que o gavião mate a pomba e o homem mate alegremente o gavião; ao homem, se não houver outro bicho que o mate, pode lhe suceder que ele encontre seu gavião em outro homem.

>>> Leia também: Bicentenário da Independência no Enem: como o assunto pode cair

Principais cronistas do Brasil

o-que-cronica-machado-de-assis

Carlos Drummond de Andrade, Clarice Lispector e Rubem Braga, autores dos textos acima, figuram na lista dos principais cronistas do Brasil.

Veja também outros nomes e conheça o estilo literário de cada um deles!

Machado de Assis

Machado de Assis (Rio de Janeiro, 21 de junho de 1839 - Rio de Janeiro, 29 de setembro de 1908) escreveu diversos gêneros literários.

Nas crônicas, onde obteve grande destaque, iniciou contando sobre as sessões parlamentares.

Depois, passou a falar sobre o cotidiano da cidade do Rio de Janeiro.

O escritor publicou mais de 600 crônicas.

Clarice Lispector

Clarice Lispector, nascida Chaya Pinkhasovna Lispector (Chechelnyk, Ucrânia, 10 de dezembro de 1920 - Rio de Janeiro, 9 de dezembro de 1977), possuía um estilo intimista.

Ela introduziu características novas à literatura nacional e marcou o Modernismo.

Suas crônicas eram conhecidas por descrições psicológicas e epifanias.

Cecília Meireles

Cecília Benevides de Carvalho Meireles (Rio de Janeiro, 7 de novembro de 1901 – Rio de Janeiro, 9 de novembro de 1964) é outro grande nome do Modernismo.

Ela ficou bastante conhecida por suas poesias simbolistas, e trouxe o mesmo tom dos poemas para as crônicas.

A morte, o amor, o eterno e o efêmero foram os temas mais retratados.

Nelson Rodrigues

Nelson Falcão Rodrigues (Recife, 23 de agosto de 1912 - Rio de Janeiro, 21 de dezembro de 1980) é o autor de “A Vida como Ela é”, uma série de contos que foi transmitida em televisão.

O cronista abordava a realidade sem rodeios, apostando, inclusive, no erotismo.

Carlos Drummond de Andrade

Carlos Drummond de Andrade (Itabira, 31 de outubro de 1902 - Rio de Janeiro, 17 de agosto de 1987) foi um dos maiores escritores brasileiros.

Pode-se dizer que o estilo do cronista era libertino e sarcástico. 

Vinicius de Moraes

Vinicius de Moraes, nascido Marcus Vinicius de Moraes (Rio de Janeiro, 19 de outubro de 1913 - Rio de Janeiro, 9 de julho de 1980) fazia crônicas para sobreviver.

Seus textos traziam leveza, senso de humor e lirismo.

Lima Barreto

Afonso Henriques de Lima Barreto, mais conhecido como Lima Barreto (Rio de Janeiro, 13 de maio de 1881 - 1 de novembro de 1922), foi um crítico cronista da República Velha no Brasil.

Além do estilo bastante coloquial, suas crônicas eram populares por retratar, principalmente, o tema da exclusão social.

João do Rio

João do Rio, pseudônimo de João Paulo Emílio Cristóvão dos Santos Coelho Barreto (Rio de Janeiro, 5 de agosto de 1881 - 23 de junho de 1921), ajudou a fundar a crônica moderna.

Seus textos abordavam a paisagem urbana carioca com representações dos diferentes grupos sociais do Rio de Janeiro.

Paulo Mendes de Campos

Paulo Mendes Campos (Belo Horizonte, 28 de fevereiro de 1922 - Rio de Janeiro, 1 de julho de 1991) foi um dos grandes cronistas da sua geração.

Ao trazer poesia para os temas cotidianos, ele atribuiu delicadeza e atemporalidade ao gênero.

Rubem Braga

Rubem Braga (Cachoeiro de Itapemirim, 12 de janeiro de 1913 - Rio de Janeiro, 19 de dezembro de 1990) dedicou-se exclusivamente às crônicas.

Seu estilo marcado por ironia, lirismo e humor contribui para que ele se tornasse um dos maiores cronistas brasileiros.

Conclusão

E, então, tirou a prova?

Você sabia o que é crônica ou, de fato, confundia o gênero com outros textos?

Bem, o que importa é que agora não restam mais dúvidas, não é verdade?

Neste artigo, além de conhecer as características da crônica e de todos os tipos, você também aprendeu como escrever, viu exemplos e ainda foi apresentado a grandes cronistas brasileiros.

Se você vai fazer o Enem ou prestar vestibular, o gênero pode ser cobrado nos exames.

Mas, com isso, você não tem mais com o que se preocupar, não é verdade?

Outros assuntos, talvez, possam interessar.

Que tal continuar navegando em nosso blog?

Aqui, você encontra artigos como:

Continue aprimorando seus conhecimentos com a gente!

Descubra os segredos para tirar nota 1000 na redação do ENEM!

Inscreva-se no Blog do EAD PUCPR

Nova call to action

Saiba como virar
um grande profissional:

ead pucpr
O que você achou dessa publicação?
Deixe seu comentário aqui.