Tags: Ensino Superior

Se você está se preparando para ingressar no ensino superior, provavelmente já deve ter lido ou ouvido falar sobre os conceitos de ensino, pesquisa e extensão.

Esses três pilares são a base do conhecimento acadêmico, fazendo parte do currículo de todos os cursos de graduação. Por isso, é muito comum que as universidades informem que sua base curricular contempla essas três especificidades do ensino superior.

Mas, você sabe de fato o que cada uma delas significa e por que são tão importantes? Conhecer esses conceitos é fundamental porque influenciam na sua formação e no seu futuro profissional.

Neste artigo, falaremos mais sobre o tripé ensino, pesquisa e extensão. Continue conosco e descubra tudo sobre o assunto!

Aqui você vai conferir
A indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão

Como funciona a extensão no EAD PUCPR

Comece sua graduação EAD agora mesmo! Inscreva-se.

A indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão

Você sabia que os conceitos de ensino, pesquisa e extensão estão previstos na Constituição Brasileira?

É isso mesmo: em seu artigo 207, a Constituição Federal de 1988 estabelece a chamada indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão.

Isso quer dizer que, conforme a legislação, esses três pilares são inseparáveis e essenciais para a construção de uma instituição de ensino superior de qualidade e que atenda as necessidades dos alunos e também da sociedade.

Logo, todas as universidades devem trabalhar esses três eixos de forma equivalente na formação para os estudantes. Confira o que diz o artigo:

“As universidades gozam de autonomia didático-científica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial, e obedecerão ao princípio de indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão."

Esses três conceitos são complementares, devendo, por isso, fazer parte da vida acadêmica de todos os estudantes.

Mas, como eles funcionam na prática? A seguir, explicamos detalhadamente a tríade ensino, pesquisa e extensão:

>>> Leia mais: A participação das mulheres na ciência: cenário atual e possibilidades

Ensino

É a parte da vida acadêmica com que estamos mais familiarizados. Ou seja, as aulas, monitorias, atividades em laboratório, etc. O ensino é o meio dos estudantes construírem conhecimento dentro da sua área de estudos.

É o ensino que fornece a base do conhecimento para que o estudante atue em determinada profissão ou se aprofunde em certo campo do saber.

Para entender melhor, vamos utilizar um exemplo prático do curso de Administração, por exemplo. Nesse caso, a parte do ensino está concentrada nas próprias disciplinas da grade curricular, que abordam desde o campo teórico ao prático.

Ensino, pesquisa e extensão - jovem com a mão levantada em sala de aula

Pesquisa

Essa é a parte da formação universitária que diz respeito à materialização de conhecimento adquirido.

A pesquisa acadêmica tem como objetivo relacionar aspectos objetivos e subjetivos, investigar fenômenos e traçar teorias com base na bibliografia da área. O TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) faz parte do pilar de pesquisa, por exemplo.

Ou seja, durante sua formação, em certos momentos e oportunidades, você se dedicará a um objeto de estudo específico, pesquisando e, consequentemente, aprendendo e formando novos conhecimentos sobre o tema em questão.

Novamente, vamos pensar em um exemplo prático para que você compreenda melhor: imagine o curso de Nutrição.

Além da parte do ensino, durante o curso, o estudante de Nutrição tem a oportunidade de participar de grupos de pesquisa para estudar assuntos e resolver problemas reais, como uma doença ligada à alimentação, por exemplo.

Isso certamente o ajudará muito ao exercer sua profissão e ainda trará novas abordagens para os estudos da área, o que pode acarretar em novos medicamentos e tratamentos, trazendo também contribuições para a sociedade.

>>> Leia mais: Conselhos profissionais: preciso me inscrever quando me formar?

Extensão

A extensão talvez seja o pilar menos familiar entre os três, mas ele é tão importante quanto os mencionados anteriormente.

O eixo extensão diz respeito a atividades que buscam estabelecer uma relação entre a universidade e a sociedade. Ou seja, são momentos de troca de conhecimento entre a instituição e a comunidade.

A extensão reúne iniciativas voltadas para questões da sociedade moderna. Exemplos bastante conhecidos de projetos de extensão são os hospitais universitários.

Desde 2014, o Plano Nacional de Educação determina que a extensão deve ser obrigatória na graduação e pós-graduação. Além disso, o Ministério da Educação (MEC) também incluiu na resolução nº 7, de 18 de dezembro de 2018, um reforço sobre esta obrigatoriedade.

Segundo essa resolução, os créditos curriculares dos estudantes devem ser no mínimo 10% voltados para projetos de extensão em áreas sociais. A proposta busca valorizar o terceiro pilar das universidades tanto para professores como para os alunos.

Alguns frentes extensionistas são:

  • Cursos de extensão;
  • Prestação de serviços sociais;
  • Resultado do trabalho com a Pesquisa e o Ensino.

Agora vamos pensar em um exemplo prático? Tenha em mente o curso de Ciências Contábeis.

Além de realizar ensino (as disciplinas do curso) e pesquisa (participar de um grupo de pesquisa), os estudantes podem fazer parte de projetos de extensão para atendimento à comunidade, com iniciativas que visam auxiliar no bem-estar financeiro ou na educação financeira da população, por exemplo.

Juntos, esses três eixos acadêmicos ajudam as universidades a formar profissionais mais qualificados e preparados para o mercado de trabalho.

>>> Leia mais: Posso fazer um estágio home office? Tire todas as suas dúvidas!

Como funciona a extensão no EAD PUCPR

Ensino, pesquisa e extensão - jovens reunidos em volta de um computador

Você já sabe que a extensão faz parte da formação de todos os estudantes universitários, certo? O que talvez você ainda não saiba é que isso vale para os cursos EAD também.

Afinal, essa modalidade busca garantir a mesma qualidade do ensino presencial, fornecendo, assim, formação com base nos três eixos.

Aqui no EAD PUCPR, em conformidade com a resolução nº 7, de 18 de dezembro de 2018 do Ministério da Educação (MEC) e do Conselho Nacional de Educação (CNE), serão implementadas as Diretrizes para as Políticas de Extensão da Educação Superior Brasileira nos cursos de graduação a partir do ano letivo de 2023 para calouros.

Sendo assim, há de se destacar os seguintes artigos:

  • Art. 4º: As atividades de extensão devem compor, no mínimo, 10% (dez por cento) do total da carga horária curricular estudantil dos cursos de graduação, as quais deverão fazer parte da matriz curricular dos cursos;
  • e Art. 9º: Nos cursos superiores, na modalidade a distância, as atividades de extensão devem ser realizadas, presencialmente, em região compatível com o polo de apoio presencial, no qual o estudante esteja matriculado, observando-se, no que couber, as demais regulamentações, previstas no ordenamento próprio para oferta de educação a distância.

Portanto, há de se considerar que todos os cursos de graduação do EAD PUCPR, mesmo na modalidade a distância, passarão, a partir de 2023, a ter 10% da sua carga horária de atividades de extensão a serem realizadas presencialmente em espaços diversos da sociedade.

Essa atividade soma-se à presencialidade obrigatória também em estágios curriculares, práticas, avaliações e outras atividades previstas conforme a necessidade do seu curso e diretrizes e/ou regulamentações vigentes.

Quer conhecer mais sobre o EAD PUCPR? Confira aqui a lista de cursos completa e nossas oportunidades de bolsas de estudos!

Use sua nota do ENEM para ganhar uma bolsa de estudos!

Inscreva-se no Blog do EAD PUCPR

Comece sua graduação EAD agora mesmo! Inscreva-se.

Modelo de currículo para
conquistar a vaga dos sonhos:

New call-to-action
O que você achou dessa publicação?
Deixe seu comentário aqui.